Mas, a terapia funciona mesmo?

Terapia funciona? Porque somos tão relutantes para entrarmos na terapia?

Porque minha terapia não está tendo um retorno desejado?

Observe se o terapeuta não está transferindo seus conflitos para seus clientes, fundamental a neutralidade, nós psicanalistas e psicoterapeutas temos que passar em terapia com outro colega e levarmos estes casos para a supervisão.

Cada paciente é um, muitas vezes este cliente tem que ser encaminhado, é fundamental deixar claro que o processo terapêutico não é mágico e sim uma evolução caso a caso.

Nem sempre o cliente está preparado para iniciar este processo. Eu vario meus recursos a cada pessoa e a cada atendimento, sem apego. Deixo sempre o cliente tranquilo para que ele entenda que o processo é dele.

A angústia faz parte do processo terapêutico, então em alguns momentos a sensação de sair pior fará parte, mas é necessário que você entenda que não é um bate papo com um amigo, mas um profissional treinado para mexer com alguns aspectos doloridos, porém necessários para acessarmos a verdadeira causa dos seu mal-estar.

O caminho da fala é também o da escuta. Questiono meus analisantes o quanto eles realmente se escutam e desta escuta, quais signos e significados há para ele, apenas para ele, num primeiro momento.

É comum ouvirmos nas primeiras sessões uma história e depois de alguma evolução outra totalmente diferente da trazida inicialmente. Também é bastante corriqueiro esse tipo de mudança quando solicito a vinda do parceiro/a – essa mesma história passar a ser totalmente outra.

Muitas vezes ouvimos: começou a terapia e piorou! O que é este piorar? Será que essa pessoa não começou a se posicionar? Sair da zona de conforto incomoda muita gente, mas é a única forma de resolvermos nossas questões. De passar da atitude passiva para a proativa, de parar de culpabilizar terceiros e assumir as decisões da sua vida.

Os processos de psicanálise são processos mais longos, mais profundos porque trabalhamos com o inconsciente, através da fala, acessando os padrões de comportamento que estão muito arraigados.

Diferente da autoajuda, na terapia não há conselhos, tampouco dicas. O processo é individual e o paciente é o único responsável pelas suas atitudes.

E por fim é necessária a empatia entre psicoterapeuta e paciente, para que haja um acolhimento adequado nos momentos onde a terapia ficará difícil! Isso ocorre porque o paciente estará mobilizando conteúdos que acionarão vários mecanismos de defesa psíquica.

Seja muito bem-vindo/a à terapia!

Entregue-se ao processo, seja criterioso/a na escolha do profissional para tratá-lo/a, não tenha vergonha de falar: eu faço terapia!

Conte comigo! Mande um Whatsapp para 11 99996-3051 e vamos agendar uma consulta de avaliação (presencial ou online).

Deixe um comentário