Matéria realizada para o Blog Jornal da Mulher

Em homenagem ao Dia das Mães que está chegando, 10 de maio, a sexóloga Lelah Monteiro, dá algumas dicas para as recém-mamães de como retomar a vida sexual após o nascimento do filho. “Aproximadamente um ano após o parto, a maioria dos casais deveria apresentar uma frequência sexual igual à do período pré- gravídico. Mas, infelizmente, inúmeros fatores sociais e emocionais negativos, associados à dificuldade do casal moderno em administrar crises, acabam por provocar ou manter a inadequação sexual, tornando-se um distúrbio sexual e conjugal crônico”.

De acordo com a sexóloga, o puerpério ou pós-parto é o período após o parto, com duração de até seis meses, em que a mulher retornará às condições físicas, hormonais e psicológicas de antes da gravidez. “As alterações físicas afetam todo o corpo da mulher. A vagina fica mais seca e com dificuldade de lubrificação, os pontos doem, a barriga fica mais flácida, o peso está acima do normal, os seios produzem leite e estão muito sensíveis”. Além disso, durante toda a fase de amamentação, existe uma baixa produção de estrogénio, o que interfere negativamente sobre a sexualidade. “Os aspectos emocionais podem também levar a bloqueios sexuais no pós-parto. Mas a sexualidade não é obrigatoriamente sinónimo de contato genital, e, portanto, não se restringe ao encontro dos genitais. A sexualidade humana implica necessariamente o envolvimento de quatro dimensões: afetividade, emoção, comunicação e prazer. As carícias, mesmo que não impliquem o ato sexual em si, podem ser retomadas imediatamente e devem fazer parte de todo o ciclo  grávido-puerperal”, ressalta Monteiro.
Por maiores que sejam as mudanças fisiológicas que acontecem após o parto, segundo a sexóloga, as mudanças psicossociais que envolvem o novo triângulo acabam, muitas vezes, por se sobrepor. “Portanto, papais e mamães é importante preservar a intimidade do casal, para a formação saudável da nova família”, alerta.

Leave a Reply