etarismo

Tudo bem ser diferente

A cada capítulo da novela “Um Lugar ao Sol”, a autora Lícia Manzo nos presenteia com reflexões mais do que necessárias: já se falou em etarismo, em gordofobia, em violência contra a mulher e muitos outros temas.

Hoje, 23.03.22, a inclusão de pessoas com deficiência ganhou o palco. Num emocionante monólogo, o ator Otávio Müller, que interpreta Paco, pai de Mel, que tem Síndrome de Down, declara: “TUDO BEM SER DIFERENTE”.

E eu repito aqui: sim, tudo bem ser diferente! Cada um de nós é lindo e único. Conviver com a diferença nos faz aprender, crescer, melhorar.

Então, livre-se do medo e do preconceito para com o diferente, esses sentimentos tão limitantes.

Te faço esse convite: abra espaço para a diversidade – social, de etnia, orientação sexual, cultura, gênero, por deficiência – em sua vida. Isso vai te renovar, ampliar seus horizontes. É a diferença que nos faz humanos, e não robôs, criados de modo padronizado numa linha de montagem.

Boralá? Tenha certeza que vai ser enriquecedor!

Abs.

Lelah Monteiro – 11 99996-3051.

Xô, etarismo!

Estou dando pulos de alegria com a cena que acabei de assistir na novela “Um Lugar ao Sol”! Entrevistada por um jornalista e submetida a perguntas de forte cunho etarista, a personagem Rebeca (interpretada pela maravilhosésima Andrea Beltrão), 50 anos, que viu sua carreira de modelo acabar por causa da idade, afirma: “Envelhecer é uma carta branca dada ao homem, não à mulher”.

Empoderada, plena de autoestima, ela faz questão de ser fotografada sem maquiagem, e exige que sua imagem não seja submetida a nenhum retoque. Não que ela não goste de se arrumar e maquiar – como faz questão de frisar ao entrevistador – mas para mostrar que é uma mulher real, e que suas rugas e imperfeições são resultado de tudo que viveu.

Que coisa linda! Nada mais verdadeiro.

À mulher, a sociedade cobra uma eterna juventude impossível. Submetidas a essa exigência descabida, muitas mulheres sucumbem à depressão, sofrem com distúrbios alimentares, transtornos de imagem corporal, baixa autoestima. Vejo isso em meu consultório.

É preciso mudar esse pensamento. Somos lindas e capazes. E cada idade tem sua beleza e precisa ser valorizada.

Mulher: cuide-se! Ame-se! E, se precisar de ajuda, estou por aqui.

Abs.
Lelah Monteiro – 11 99996-3051